segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Ficção versus Realidade dos Preços da Gasolina

Os principais meios de comunicação anunciaram com grande fanfarra na semana passada que a Petrobrás tinha baixado os preços da gasolina pela primeira vez desde 2009, e que o consumidor iria perceber a uma queda de pelo menos 1% nas bombas.
Essa semana fui abastecer o carro e percebi que em vários postos que praticavam o preço do etanol a R$ 2,79 por litro tinham aumentado em pelo menos R$ 0,20. E a gasolina? Para surpresa de muitos, constatei que não só não havia baixado, mas aconteceu o contrário. Como se os distribuidores e donos de postos fossem obrigados a repassar variações dos custos aos preços finais. É mais fácil eles preservarem os preços para aumentar a margem bruta.
Por que aconteceu esse aumento da gasolina?
Basta olhar os indicadores semanais do etanol do CEPEA/ESALQ (http://cepea.esalq.usp.br/etanol/) para obter a resposta.
Em meados de setembro passado o etanol hidratado estava cotado em média a R$ 1,69 e passou para R$ 1,90 na semana de 17 a 21 de outubro. Por sua vez, o etanol anidro passou de R$ 1,88 para 2,10 no mesmo período (aumento de 11,7%). Para os que não sabem, o etanol anidro compõe 27,5% de um litro de gasolina vendido na bomba, logo um aumento no preço do anidro tende a elevar o preço da gasolina.
A questão é, se os grandes meios de comunicação já sabiam da tendência de aumento do etanol anidro por que apostaram numa queda do preço da gasolina?
Para mais informações consulte o relatório do CEPEA sobre açúcar e etanol disponível em: http://cepea.esalq.usp.br/agromensal/2016/09_setembro/AcucarAlcool.htm